Trash the Dress???

Oieeeeeeee
Meninas, ainda peço um pouco de paciencia à vocês, porque ainda não estou conseguindo comentar os blogs de vocês, e não entendo o motivo, já conversei com algumas blogueiras, e até o momento só o meu blog está dando problemas...Espero que isso se resolva e volte ao normal o mais rápido possível...
Minhas novas seguidoras, sejam muito bem vindas, e assim que possível e o blogger permitir, visitarei o cantinho de vocês.

Bom, como vocês sabem, amo amo amo fotos, me arrependo de não ter aproveitado melhor meu vestido para ter tirado boas fotos, afinal ele ficou em minhas mãos por 1 semana, mas a correria era tão grande, que isso nem passou por minha cabeça. Sempre fui adepta de todos os tipos de ensaios fotográficos de casamento. Mas hoje vendo essas imagens, pensei: - Meu Deus, nem que eu tivesse comprado meu vestido, teria CORAGEM de fazer isso com ele...rsrsrs...sou tão cuidadosa com minhas coisas, e amei tanto meu vestido, que acho que jamais faria esse ensaio. Mas que ele fica lindooooo...ah isso fica...

Então para as noivinhas corajosas, vamos à matéria...

Noivas pagam até R$ 5.000 por sessão de fotos para “zoar” vestido do casamento

Trash the Dress vira moda no Brasil e procura pelo serviço aumenta
 
 

Você já imaginou uma noiva tomando banho de mar com seu belo vestido branco ou circulando por uma estação de trem desativada de braço dado com seu noivo? Essas cenas estranhas são totalmente possíveis em um Trash the Dress, ensaio fotográfico que pode ser literalmente traduzido como "zoar o vestido"

O conceito, que começou nos Estados Unidos, vem ganhando cada vez mais adeptos no Brasil e vira moda dentro da lucrativa indústria dos casamentos. O preço de uma sessão de fotos desse tipo custa entre R$ 2.000 e R$ 5.000.
 
Apesar disso, o ensaio após o casamento ainda é considerado "conservador" no país e nem sempre termina com a detonação do romântico traje de noiva. Normalmente, as fotos são feitas com o casal vestido a caráter, sem muita formalidade e em ambientes inusitados. Rolar na areia e mergulhar em uma bela praia costumam fazer parte do show. E é por isso que os noivos têm que estar bem à vontade sem medo de sujar ou estragar a roupa.


A cerimonialista Chaianne Magalhães, de 25 anos, alugou um vestido de noiva só para o Trash the Dress e teve autorização do estilista para curtir o ensaio na praia de Grumari, na zona oeste do Rio, sem peso na consciência.

- Não fiquei com pena do vestido. Acho que o sentimento é esse, Trash the Dress. Passou o grande dia, é hora de abusar e se divertir.

Chaianne e o marido Marcus Vinícius, de 30 anos, se casaram no início de 2010, mas só agora, em setembro de 2011, conseguiram marcar a sessão de fotos. O fotógrafo El Grego, que está no Brasil há dez anos, afirma que não são apenas os recém-casados que se interessam por "zoar o vestido".

- Muitos noivos que já casaram há dez anos pedem para fazer o Trash. O ensaio veio para ficar

Inspiração


Outro experiente fotógrafo no ramo de casamentos, o carioca Marcelo Bruno gosta de sugerir aos noivos lugares paradisíacos para as fotos do Trash the Dress. Mas ele já passou pela situação inusitada de fotografar em uma favela.

- Sugeri praias na região dos Lagos e em Parati, mas os noivos queriam algo que remetesse à cidade do Rio. Levei os dois a uma favela pacificada e o resultado ficou muito bom.

O próximo desafio de Marcelo Bruno será fazer o Trash the Dress no deserto do Atacama, no Chile, desejo de um casal.

Já a fotógrafa Daniela Conti, que tem experiência com fotojornalismo e editoriais de moda, fez um Trash the Dress pela primeira vez em junho de 2011. Ela seguiu a ideia dos noivos, os publicitários Maíra Miguel e Inácio Luís Ramos, que marcaram o ensaio na velha e abandonada estação da Leopoldina, na região central do Rio. Neste caso, o ar trash foi garantido pela locação e não por uma literal destruição do vestido.

- Para mim, o objetivo é sempre buscar um olhar artístico, leve e espontâneo, seja o ensaio mais trash ou mais comportado. Cabe ao fotógrafo não apenas dirigir o casal, mas ser criativo e entrar no clima do ensaio.

Na prática

Além do alto custo, para chegar ao resultado final do Trash the Dress é preciso ter disposição e paciência para conciliar a agenda dos noivos com a equipe do fotógrafo e a previsão do tempo. Segundo Marcelo Bruno, a fórmula nem sempre é fácil.

- O Trash normalmente acontece dia de semana, onde praias e parques estão mais vazios. Às vezes, quando está tudo disponível, tudo certo, chove.

Quem opta por fazer as fotos logo após o casamento, no dia seguinte, por exemplo, precisa estar animado. A noiva Maíra confessa que chegou a pensar em desistir, mas diz que a experiência é divertida e o resultado final compensa.

- Foi muita disposição fazer todo o ritual no dia seguinte ao casamento, mas, quando vejo as fotos, não tenho a menor sombra de dúvida de que valeu a pena.

El Grego, que leva para os ensaios sua experiência com moda adquirida na Europa, incentiva

- Dependendo do fotógrafo, é possível fazer uma produção muito boa. É um editorial em que os modelos são os noivos.













Meus parabéns aos corajosos, fotos lindíssimas...
E vcs teriam coragem???
Um ótimo dia!!
Bjoooo
Fonte: R7

5 comentários:

Lynnyx disse...

Depois de um ano de casadinha, ainda tenho vontade de fazer um ensaio desses. rsrs

=*

Tami disse...

Jé, eu acho PERFEITO esse tipo de ensaio...Porém (ah, porém) eu tb não teria coragem de estragar o vestidinho lindo q tanto sonhei colocar. rs

Beijos, flor.

Nosso Casamento disse...

Meu Deus R$ 5.000,00 O.o
Não vejo muita graça nesse tipo de foto , sou mais as fotos tradicionais mesmo hehe'

Beijoss ♥

Tarciane Amorim disse...

Flor, lindo o blog.
Estou em novo endereço!
http://amornoplural.blogspot.com/

Fernanda disse...

Jééé

Como vc esta? Por que sumiu?

Estou com saudades!

òtima semana pra vc

Beijos!